imagem evento compartilhando.jpeg

Vem aí o XI Compartilhando Experiências no Ensino Religioso
QUANDO?

23/11/2022

QUAL HORÁRIO?

8h30 (MANHÃ)

13h30 (TARDE)

ONDE?

UNIVERSIDADE LIVRE DO PROFESSOR (CIC)

8h30 - Credenciamento

Apresentações:

1.Gamificação nas aulas de ER - Aline Trindade (EM Nathalia de Conto Costa).

2. O eu, o outro e o nós - Adriana Fernandes (EM Foz do Iguaçu).

3. O respeito às diferenças - Fernanda Carriel (EM Dona Lulu).

4. A transversalização da Educação Ambiental no componente de Ensino Religioso: O Sagrado Feminino como instrumento para a promoção de reflexões sobre a igualdade de gênero e combate à violência contra a Mulher - Claudia Lourenço (EM João Stival).

5. Conhecendo e reconhecendo a diversidade com estudantes migrantes - Ana Paula Silva (EM Batel).

6. Jerusalema: O mundo precisa de esperança e esperançar - Silmara Prestes (EM Dom Manuel da Silveira D'Elboux).

11h30 - Encerramento

13h30 - Credenciamento

Apresentações:

1.Galeria Fotográfica ER - Aline Trindade (EM Nathalia de Conto Costa).

2. Lugares de Peregrinação - Adriana Fernandes (EM Foz do Iguaçu).

3. Mandalas - Juliana Correia (EM Maria Neide Gabardo Betiatto).

4. Ancestralidade e tradição oral: preservando memórias - Ana Paula Silva (EM Batel).

5. Tons de Pele - Juliana Correia (EM Maria Neide Gabardo Betiatto).

6. Mão na Massa ER - Aline Trindade (EM Nathalia de Conto Costa).

16h30 - encerramento

Teremos também exposição de trabalhos das professoras:
Dayane Hessmann (EM Professora Arlindo Milton Druszcz - SMED Araucária);
Ana Neves (EM Erika Plewka);
Sueli Espigiorin (EM Lapa);
Priscila e Fernanda (EM Madre Antonia)
e das professoras comunicadoras.

 

CARTA DE PRINCÍPIOS

 

A ASSINTEC (Associação Inter-religiosa de Educação) é entidade civil de caráter educacional que atua em parceria com as Secretarias de Educação na implementação da disciplina de Ensino Religioso na Escola Pública e no apoio pedagógico aos professores da disciplina de Ensino Religioso, desde 1973.

Considerando a memória histórica do Ensino Religioso no Brasil e de modo particular no Paraná, como sendo um estado pioneiro onde em 1988 e a partir da ASSINTEC, conseguiu mobilizar a sociedade brasileira para garantir o reconhecimento legal da disciplina do ensino religioso no ensino fundamental);

Considerando também, a partir da última LDB, os esforços de muitos educadores paranaenses, dos membros fundadores da ASSINTEC e de autoridades educacionais e religiosas no sentido de construir um Ensino Religioso que inclua de modo respeitoso a diversidade das tradições religiosas, espirituais e místicas presentes no Brasil.

Somos uma entidade que possui história e que se flexibiliza conforme as demandas de sua época. Sua génese remonta ao movimento de diálogo ecuménico emergente em nossa sociedade desde então e que ao longo do tempo foi se ampliando e transformando em entidade inter-religiosa.

Esta “Carta de Princípios” delineia e propõe a filosofia da ASSINTEC, com a possibilidade de traduzir-se em ações éticas, morais e de respeito, de forma a permear as decisões, relações e atitudes dos associados desta entidade:

 

  1. Existimos como entidade civil livre, aberta, equitativa e democrática.
  2. Reconhecemos a universalidade e diversidade do fenômeno religioso
  3. Defendemos o princípio  da livre determinação da identidade religiosa de todo o ser humano sem pressão ou coerção de qualquer espécie.
  4. Nenhum indivíduo será discriminado, constrangido ou censurado por causa de sua Fé, de suas crenças ou práticas religiosas.
  5. Preconizamos o diálogo inter-religioso como meio eficaz de manter o espírito de respeito e reverência entre todas as tradições religiosas.
  6. Objetivamos o cumprimento das leis que regulam o Ensino Religioso nas escolas públicas do Brasil.
  7. Reconhecemos que os conteúdos do Ensino Religioso devem ser tratados como um sistema de conhecimentos indispensáveis ao ser humano presentes nas diferentes  tradições religiosas, de origem cultural indígena, afrodescendente, oriental e ocidental.
  8. Evitamos qualquer forma de proselitismo no âmbito educacional.
  9. Contribuímos para que o Ensino Religioso seja mais um instrumento na construção de um mundo melhor, inspirando cultura de paz e justiça.

Curitiba, 25 de fevereiro de 2005.