CONTRIBUIÇÃO DOS LÍDERES RELIGIOSOS



IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA

1.     Origem


A Igreja Católica tem sua origem e estruturação na pessoa de Jesus Cristo, Filho de Deus encarnado, no fundamento dos Apóstolos e na sucessão apostólica, a partir de  Jesus Cristo até os dias atuais.


Jesus Cristo é a figura central do Cristianismo, porque, por vontade de Deus Pai, ele encarnou-se (veio à Terra) para anunciar a salvação à humanidade inteira, "ou seja: para nos reconciliar a nós pecadores com Deus; para nos fazer conhecer o seu amor infinito; para ser o nosso modelo de santidade; para nos tornar participantes da natureza divina (2 Ped 1, 4)"; e para "anunciar as boas novas do Reino de Deus". Santo Atanásio, um famoso Padre e Doutor da Igreja, afirmou que Jesus, "o Filho de Deus, Se fez homem, para nos fazer Deus", ou seja, para nos tornarmos santos como Deus.


2.     Estrutura hierárquica da Igreja Católica e exercício da liderança.


A Igreja Católica tem uma estrutura hierarquizada, sendo o seu Chefe o Papa, escolhido pelo Colégio de Cardeais. A expressão "Santa Sé" significa o conjunto do Papa e dos dicastérios da Cúria Romana, que o ajudam no governo de toda a Igreja. A Igreja tem uma estrutura hierárquica de títulos que são, em ordem descendente:


2.1 Papa -  que é o Sumo Pontífice e chefe da Igreja Católica, o guardador da integridade e totalidade do depósito da fé, o Vigário de Cristo na Terra, o Bispo de Roma e o possuidor do Pastoreio de todos os cristãos, concedido por Jesus Cristo a São Pedro e, consequentemente, a todos os Papas. Esta autoridade papal (Jurisdição Universal) vem da fé de que ele é o sucessor direto do Apóstolo São Pedro. Na Igreja latina e em algumas das orientais, só o Papa pode designar os membros da Hierarquia da Igreja acima do nível de presbítero.


2.2 Cardeais - são os conselheiros e os colaboradores mais íntimos do Papa.  O Papa é eleito, de forma vitalícia, pelo Colégio dos Cardeais. Muitos dos cardeais servem na Cúria, que assiste o Papa na administração da Igreja. Todos os cardeais que não são residentes em Roma são bispos diocesanos.


2.3 Patriarcas - são normalmente títulos possuídos por alguns líderes das Igrejas Católicas Orientais. Estes patriarcas orientais, que ao todo são seis, são eleitos pelos seus respectivos Sínodos e depois reconhecidos pelo Papa. Mas alguns dos grandes prelados da Igreja Latina, como o Patriarca de Lisboa e o Patriarca de Veneza, receberam também o título de Patriarca, apesar de ser apenas honorífico e não lhes conferirem poderes adicionais.


2.4  Arcebispos e bispos - são bispos que, na maioria dos casos, estão à frente das arquidioceses. Se a sua arquidiocese for a sede de uma província eclesiástica, eles normalmente têm também poderes de supervisão e jurisdição limitada sobre as dioceses (chamadas sufragâneas) que fazem parte da respectiva província eclesiástica. Os Bispos (Diocesano, Titular e Emérito) são os sucessores diretos dos doze Apóstolos. Receberam o todo do sacramento da Ordem, o que lhe confere, na maioria dos casos, jurisdição completa sobre os fiéis da sua diocese.


2.5 Presbíteros ou Padres - são os colaboradores dos bispos e só têm um nível de jurisdição parcial sobre os fiéis. Alguns deles lideram as paróquias da sua diocese.


2.6 Diáconos - são os auxiliares dos presbíteros e bispos e possuem o primeiro grau do Sacramento da Ordem. São ordenados não para o sacerdócio, mas para o serviço da caridade, da proclamação da Palavra de Deus e da liturgia.


Todos os ministros  supra-mencionados fazem parte do clero. A Igreja acredita que os seus clérigos são "ícones de Cristo", logo todos eles são homens, porque os doze Apóstolos são todos homens e Jesus, na sua forma humana, também é homem.


Mas isto não quer dizer que o papel da mulher na Igreja seja menos importante, mas apenas diferente. Exceptuando em casos referentes aos diáconos e a padres ordenados pelas Igrejas orientais, todo o clero católico é celibatário. Os clérigos são importantes porque efectuam exclusivamente determinadas tarefas, como a celebração da Missa e dos sacramentos.


Existem ainda outras funções na vida da comunidade e nesse âmbito há a presença marcante das mulheres: Leitor, Ministro Extraordinário da Comunhão eucarística, Ministro da Palavra e Acólito. Estas funções tomados em conjunto não fazem parte do clero, pois são conferidas aos leigos, uma vez que, para entrar para o sacerdócio, é preciso ao católico receber o sacramento da Ordem. Desde o Concílio Vaticano II, um concílio pastoral e não dogmático, os leigos tornaram-se cada vez mais importantes no seio da vida eclesial e gozam de igualdade em relação ao clero, em termos de dignidade, mas não de funções, o grande desastre do catolismo.


Dentro da Igreja, existem um grupo de leigos ou de clérigos que decidiram tomar uma vida consagrada e normalmente agrupam-se em ordens religiosas, congregações religiosas ou em institutos seculares, existindo porém aqueles que vivem isoladamente ou até junto dos não-consagrados. Estes movimentos apostólicos têm a sua própria hierarquia e títulos específicos.

 

3.      O Sagrado Feminino no Catolicismo


Na Igreja Católica a presença do sagrado feminino nos remete á figura de Maria de Nazaré, a Mãe de Jesus. Presença de destaque e atuante nos relatos evangélicos e que inspirou um número incontável de mulheres que como Maria se consagraram a Deus na vida religiosa e consagrada, em um número incontável de institutos, ordens e congregações religiosas ou de maneira particular.


A presença da mulher na Igreja é fundamental, embora não inserida no contexto hierárquico da Igreja. A grande maioria das comunidades católicas conta com a liderança feminina exercendo papel de destaque, assumindo a liderança de pastorais e organismos, tanto no âmbito da evangelização quanto na prática da caridade.


Pe. Carlos Alberto Chiquim

Presidente da ASSINTEC





PRESBITERIANISMO NO BRASIL


Em uma noite do ano de 1536, o jovem reformador francês João Calvino passava por Genebra. Recebe, então, apelo veemente de Guilherme Farel para que permanecesse naquela cidade suíça, juntando-se a ele, para, ali, levarem a efeito a Reforma. Depois de alguma relutância, Calvino aceitou. Naquela noite, tinha início capítulo marcante da História da Igreja Cristã.

As Igrejas Presbiterianas, no Brasil, são herdeiras desse notável movimento. A identidade reformada constitui um traço destas comunidades de cristãos. Para explicitar as linhas mais marcantes dessa expressão da fé cristã é indispensável reportar ao século XVI, à cidade de Genebra e à figura de Calvino.

Calvino reorganizou a Igreja em Genebra, criando um sistema representativo de governo, por meio do Consistório, que era formado pelos presbíteros (leigos que tinham o mesmo poder administrativo que os pastores) e, também, cuidou da administração da beneficência na cidade através dos diáconos. Essa foi uma mudança profunda, que punha fim ao sistema episcopal e apontava na direção a um sistema democrático de governo que, só depois de muitos anos, se consolidaria com as Revoluções Americana e Francesa.

O Reformador de Genebra apregoou, também, uma vida moral austera. Calvinismo como que se tornou sinônimo de austeridade, que significava simplicidade no viver, dedicação e honestidade no trabalho. Esta se tornou uma marca tão forte dos reformados, que Max Weber escreveu sobre o tema uma das mais célebres obras da Sociologia: "Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo". A ética calvinista produziu efeitos na sociedade durante período considerável.

Calvino, ainda, construiu um sistema educacional de primeira ordem. Ele atraiu mestres entre os melhores da Europa para as escolas de Genebra. Muitos estrangeiros foram à Academia para estudar teologia e voltaram às suas terras como pastores reformados. A Reforma e a sólida educação acadêmica, para ele, eram indissociáveis.

Por fim, considerado o sistema de compreensão da fé cristã, a reforma calvinista pode ser resumida nas seguintes afirmações: Sola Fide, somente pela fé; Sola Scriptura, por meio das Escrituras apenas;  Solus Christus, apenas por meio de Cristo; Sola Gratia, tão somente por meio da graça; Soli Deo Gloria, Gloria somente a Deus.

Um dos estudantes que passou por Genebra foi John Knox. Ligou-se a Calvino e estudou em sua Academia. De volta à Escócia (1559), com a ajuda de outros ministros, organizou a Igreja Reformada da Escócia. Foi o principal autor do Livro de Disciplina, que traçou uma forma presbiteriana de governo para a Igreja. O nome "Igreja Presbiteriana" é usado pelas igrejas que se originaram desta Igreja da Escócia e o nome "Reformada" é próprio das igrejas que nasceram no continente – Suíça, Holanda, França, etc.

Quase um século depois de Knox iniciar seu trabalho na Inglaterra é que os Puritanos, em grande parte presbiterianos, alcançaram maioria no Parlamento, e, logo, o poder para tornar a Igreja da Inglaterra como a desejavam. É convocada a Assembleia de Westminster (1643-1649), composta pelos principais teólogos puritanos. Até hoje a Igreja Presbiteriana do Brasil adota a Confissão de Fé produzida por aquela Assembleia, que também instituiu o sistema presbiteriano para a Igreja da Inglaterra, o qual foi ratificado pelo Parlamento. Devido à turbulência política, o sistema permaneceu apenas na lei, de fato não se efetivou a Igreja Nacional Presbiteriana.

Em 1660, restaura-se a monarquia, com Carlos II, filho do rei que havia sido levado à morte, e a Igreja volta à forma episcopal que existia antes da vitória dos Puritanos. Há uma grande perseguição aos dissidentes. É desse tempo o clássico meu "O Peregrino" de John Bunyan, que o escreveu na prisão de Bedford.

Esse momento histórico é fundamental, pelo menos, por dois motivos: Primeiro, porque a Confissão de Fé de Westminster se tornou referencial doutrinário para o presbiterianismo de origem anglo-saxônica; segundo, porque a perseguição infligida aos Puritanos após sua derrota levou inúmeras famílias a atravessar o Atlântico, propiciando o surgimento de muitas igrejas na América do Norte. Uma das características das igrejas dos Estados Unidos, que não se pode deixar de mencionar neste rápido pinçar de elementos históricos é o fato de serem igrejas independentes do Estado. A primeira emenda à Constituição dos Estados Unidos (1791) determinava que não houvesse religião reconhecida pelo Estado. A laicidade do Estado constituiu bandeira do presbiterianismo que aportou no Brasil.

O presbiterianismo herdado dos Estados Unidos tem feições bem definidas. Ele é datado e determinado por uma conjuntura nacional peculiar. A ida para o oeste era marcada pelo pioneirismo que trazia consigo os vícios, a prostituição, etc. Beecher, líder protestante, afirmou (1832): "plantar o cristianismo no oeste (americano) é uma tarefa tão grande quanto seria plantá-lo no império romano, porém com maior permanência e poder". A abstinência quanto a bebidas alcoólicas e o combate aos vícios, como o jogo, foram pontos centrais que caracterizaram o protestantismo americano do século passado.

Uma segunda tônica a destacar foram os movimentos de reavivamento, que atingiram quase a totalidade das igrejas, por todos os rincões dos Estados Unidos. Centenas de pessoas convertidas se filiaram às igrejas. Por fim, deve-se mencionar o Movimento das Missões Estrangeiras que, nascido na Inglaterra, encontrou correspondência de sentimento no protestantismo da América do Norte. Fruto desses Movimentos, em 12 de agosto de 1859, aportou no Rio de Janeiro o jovem pastor Ashbel Green Simonton, movido por um profundo senso de vocação. Foi o pioneiro do presbiterianismo. Depois de Simonton, vários outros missionários chegaram ao Brasil, pregando a fé cristã, na visão que dela têm os presbiterianos.

Alguém que não poderia deixar de ser mencionado neste relato é o Rev. José Manoel da Conceição, primeiro pastor presbiteriano brasileiro, ex-padre católico romano, homem de cultura notável. Foi um missionário itinerante, marcou o roteiro por onde os missionários americanos viriam depois organizando as igrejas. Ele representou, quem sabe, o primeiro sinal de um protestantismo autóctone, enfronhado na cultura brasileira. Foi muito incompreendido. Estabeleceu uma maneira de evangelização diferente daquela adotada pelos missionários americanos. Estes entendiam que uma igreja deveria gerar outra e assim por diante. Conceição inaugura um modelo itinerante, sem preocupar-se com estruturação de igrejas. Saía a pé pelas estradas e vilarejos do interior de São Paulo a pregar. Da semente assim plantada, mais tarde, os missionários colhiam os frutos. Eram famílias e famílias que estudavam com esmero a Bíblia e que, quando chegava a estrutura eclesial, já se encontravam prontas para ser recebidas por profissão de fé e batismo, formas de ingresso na Igreja. O modelo de Conceição estava consagrado.

Desta maneira, a Reforma de Genebra, ocorrida no século XVI, chegou ao Brasil, ao final do século XIX. O Cowboy norte-americano e o sertanejo brasileiro encontram-se por meio da comunicação da fé. Uma herança foi transmitida, não só aquela da maneira americana de viver o Evangelho, não só o austero presbiterianismo do puritano inglês, não só a teologia do Reformador genebrino, senão que a própria fé cristã. Porém, nada melhor que a consciência dos condicionamentos históricos e da transitoriedade de cada momento de modo que nada seja reduzido em frios dogmas.

O presbiterianismo amoldado à cultura brasileira é tão plural quanto à própria sociedade na qual se inseriu. Há setores muito conservadores ou ortodoxos, há outros denominados "liberais", há Igrejas abertas ao ecumenismo e outras bem refratárias ao diálogo inter-religioso.  O presbiterianismo, no Brasil, não é herdeiro somente de um momento que possa ser cristalizado em um modelo. A História do protestantismo, como também de seu ramo chamado presbiterianismo, é dinâmica e dialética. Nas suas contradições é possível encontrar provisórias sínteses de uma experiência multifacetada da fé cristã.

Marcos Alves da Silva

Pastor Presbiteriano





SOCIEDADE INTENACIONAL DA CONSCIÊNCIA DE KRISHNA -  Curitiba

Acharya-Fundador Sua Divina Graça A.C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada


Esclarecimentos acerca da religião Hindu Vaishnava (Hare Krishna)

seguindo recentes resoluções intelectuais da ISKCON


Considerações iniciais importantes:

Devido à grande demanda por esclarecimentos provenientes de meios acadêmicos e governamentais, entre outros, a ISKCON, ou movimento Hare Krishna, vê-se, já há algum tempo, em momento de necessidade de uma definição pública de sua posição no cenário cultural/religioso indiano que seja ao mesmo tempo idônea e satisfatória a tais meios, bem como também saudável à integridade de seu importante papel na história da Índia. Para tal empreendimento, nos munimos de numerosas e reconhecidas publicações com o intuito de esclarecer tal posição. Encontram-se amplas comprovações acadêmicas a respeito da generalidade do termo “hinduísmo”, e a comprovação de que de fato tal termo não representa uma religião apenas, mas um grupo de, sobretudo, quatro religiões específicas, por um lado diferentes entre si, contudo, concordantes em determinados e determinantes pontos que as unem sob tal termo, e também as separa de outras conhecidas tradições indianas, como, por exemplo, o budismo, o jainismo e o sikhismo, cujas características não se alinham com tais pontos, sendo o principal deles o fato de estas últimas não aceitarem a autoridade dos Vedas, ou escrituras védicas.

Partindo dessa compreensão, a qual estabelece o termo “hinduísmo” como apenas um termo técnico geral referente às quatro correntes que o compõem, vamos então a elas.

As quatro grandes religiões hindus

As quatro grandes linhas filosófico/religiosas que formam o hinduísmo tradicional são: Vaishnavismo (o qual representamos), Shaivismo, ou Shivaísmo, Smartismo e Shaktismo. Como citado anteriormente, existem certas características que as separam e outras que as unem como autênticas religiões hindus.

Os principais aspectos de convergência são: aceitação da autoridade dos Vedas, aceitação do guru, ou mestre espiritual, compreensão da lei do karma e da reencarnação.

Devido às diferenças entre elas e ao fato de os termos “hindu” ou “hinduísmo” não derivarem do patrimônio literário indiano ou védico, mas sim de fontes alheias ao povo e à tradição indianos, – de fato tais termos não pertencem à língua sânscrita –considera-se mais adequado referir-se diretamente aos praticantes das grandes tradições hindus por seu nome particular, ou seja, “hindus vaishnavas”, “hindus shaivas”, “hindus smartas” e “hindus shaktis”, ou simplesmente “vaishnavas”, “shaivas”, etc, e nunca unicamente “hindus”. Isso também explica um eventual desgosto por parte de alguns representantes dessas religiões em serem chamados apenas de hindus.

Entre as quatro, a única exclusivamente monoteísta é o vaishnavismo, o qual invariavelmente considera Krishna, ou Vishnu, como o Ser Supremo e causa de todas as causas, apesar de reconhecer o Deus de outras tradições monoteístas fidedignas como o mesmo Deus, manifesto, por Seu desejo transcendental, com outros nomes e outras características, concernentes aos aspectos particulares de tais localidades e traços culturais. Isso só vem a confirmar a infinita misericórdia de Deus.


ISKCON - Curitiba




CENTRO DE ESTUDOS BUDISTAS BODISATVA


SIDARTA GAUTAMA - BUDA - O Fundador do Budismo


A história do surgimento da Índia , berço da filosofia budista, remonta aos 3000 a.C., com o desenvolvimento das civilizações Harrapa e Mohenjo Daro, às margens do rio Indo.

A invasão desta região, cerca de mil anos depois, por povos arianos do Cáucaso determinou profundas modificações, provocando o aparecimento de diversos”reinos” independentes, com dialetos e etnias próprios.

É num desses reinos, o reino dos Shakya, em Kapilavastu, localizado no centro-norte da Índia, atual Nepal, que nasceu o príncipe Sidarta Gautama Sakyamuni, há aproximadamente 565 a.C.

Conta a tradição, que num dado momento, ele tomou conhecimento de que as pessoas envelheciam, tinham doenças horríveis e caminhavam inexoravelmente para a morte. Isto deixou-o abalado profundamente. Então deparou-se com um peregrino, que apesar de quase nu, e sem nada possuir, além de uma tigela para mendigar comida e um bastão, aquele homem parecia estar tranquilo, seu rosto irradiava paz, dignidade e contentamento. Percebeu que tudo é impermanente (velhice, doença e morte) e a única maneira de extinguir aquela angústia seria o abandono físico e mental daquela vida de confortos e acomodação material.    Abandonando a casa paterna, sai em busca de uma resposta para tanto sofrimento.

Após anos de experiência, propõe-se a ficar debaixo de uma figueira meditando até encontrar uma resposta. Passados 49 dias de profunda e silenciosa meditação e ultrapassando todos os níveis de consciência, finalmente chegou à suprema iluminação, o Nirvana.

Nesse momento, transformou-se no Buda, que significa "o supremo iluminado, totalmente consciente” . Contava ele com 35 anos de idade. A partir deste momento, e até o dia de sua morte aos 80 anos, ele viajou por todo o noroeste da Índia, partilhando com um número crescente de discípulos as suas descobertas.

O Budismo baseia-se no conceito de que tudo é ilusório, transitório e portanto impermanente.

Poucas religiões são tão baseadas na racionalidade quanto o budismo. O próprio Buda não é considerado um Deus, mas sim um homem extremamente sábio, que conseguiu subjugar a tristeza e os tormentos do ser humano e cuja filosofia de vida deve ser seguida a fim de se alcançar a felicidade plena.

A Iluminação encontra-se no "meio do caminho", não com indulgências luxuosas nem com auto-mortificação. Além disso, ele descobriu o que ficou conhecido como as ‘Quatro Verdades Nobres’ – (1) viver é sofrer (Dukha), (2) o sofrimento é causado pelo desejo (Tanha, ou “apego”), (3) uma pessoa pode eliminar sofrimento ao eliminar todos os apegos e desejos, e (4) isso é alcançado ao seguir-se o Caminho Óctuplo. Esse caminho consiste de obter o entendimento correto, o pensamento correto, a palavra correta, a ação correta, o modo correto de existência, o esforço correto (direcionar as energias corretamente), a atenção correta (meditação) e a concentração correta (foco).

Os ensinamentos de Buda foram colecionados no Tripitaka ou “três cestos de flores”.

Nos séculos posteriores, o Budismo espalhou-se pela Ásia, assumindo traços próprios em reação a padrões culturais estabelecidos em cada região.

Hoje o Budismo está presente em quase todos os países da Terra.


LIDERES NO BUDISMO

DALAI LAMA - TENZIN GYATSO


Jetsun Jamphel Ngawang Lobsang Yeshe Tenzin Gyatso nasceu em 1935,  numa pequena vila no Tibet. Filho de camponeses, aos 2 anos de idade foi reconhecido como a reencarnação e sucessor do 13º Dalai Lama; em 1939 foi levado junto à família para morar na capital do Tibet, Lhasa, e, em 1940, foi formalmente instaurado como Chefe de Estado do Tibet.

Os chefes tibetanos não são nomeados ou eleitos – eles nascem para a posição. Para os tibetanos, o Dalai Lama é mais do que um Chefe de Estado; eles são guias espirituais. Quando um Dalai Lama morre ele deixa sinais indicando aonde será seu renascimento.

Aos 6 anos de idade começou sua educação budista, que só acabaria 18 anos depois, quando recebeu o título de Doutor em Filosofia Budista após passar um dia com 80 acadêmicos de diferentes universidades discutindo lógica, filosofia budista e disciplina monástica e metafísica.

Em 1950 se deu no Tibet o começo da invasão comunista chinesa, forçando o jovem Dalai Lama a assumir sua autoridade política com apenas 15 anos. Após vários incidentes violentos,  o governo tibetano não viu outra alternativa a não ser pedir para que Dalai Lama fugisse do país.

Na noite de 17 de março de 1959, Gyatso fugiu do país em direção à Índia, que o recebeu e ofereceu asilo político. Até hoje o líder tibetano governa seu país no exílio, em uma base criada em Dharamsala, no noroeste da Índia. Com ele, aproximadamente 80 mil refugiados tibetanos fugiram e se espalharam pelo mundo. Com o auxílio da ONU foram criadas resoluções para que a China respeitasse o povo tibetano, além da construção de escolas, universidade e mosteiros para preservar a cultura do Tibet.

Em 20 de junho quebrou seu silêncio e convocou uma entrevista coletiva, afirmando que não iria parar de governar seu país; ao contrário, acompanhou de longe a criação de novos departamentos no governo, como os de Educação, Informação, Negócios Religiosos e Negócios Econômicos. Em 1963, Dalai Lama promulgou uma nova constituição para o país, baseada nos princípios da Declaração Universal dos Direitos Humanos e nos ensinamentos Budistas.

Pela primeira vez, em 1967, Gyatso sai da Índia, começando uma peregrinação que já passou por mais de 50 países, promovendo a paz e lutando pelos direitos humanos, sempre defendendo o princípio da não-violência (mesmo princípio usado por Mahatma Ghandi); em sua jornada conheceu presidentes e líderes como os papas Paulo VI e João Paulo II; líderes da Igreja Anglicana em Londres, como o Arcebispo de Canterbury, e diversos outros líderes espirituais, na tentativa de criar uma inter-fé – um diálogo em que todas as religiões possam co-existir, sem que uma negue a outra. No Brasil já esteve quatro vezes.


“Eu sempre acreditei que é muito melhor termos uma variedade de religiões, uma variedade de filosofias, do que uma simples religião ou filosofia. Isto é necessário por causa das disposições mentais diferentes de cada ser humano. Cada religião possui certas idéias ou técnicas características, e aprender sobre elas pode somente enriquecer a fé de alguém.”

O atual Dalai Lama recebeu diversos prêmios de Paz e homenagens por seus escritos em Filosofia Budista e por promover o diálogo em diversos países em questões de conflitos (civis e internacionais) e questões ambientais. O maior deles foi em 1989, quando recebeu o Prêmio Nobel da Paz por sua incessante luta – sempre pacífica – em resolver os conflitos no Tibet.

Tenzin Gyatso é considerado como a maior e mais lúcida voz de uma geração na luta pela paz, pelo respeito mútuo e pela felicidade alcançada através do altruísmo, da compaixão e do amor. Uma voz que parece distante, mas que é tão necessária ser ouvida nos dias de hoje.


http://www.livrosbiografiasefrases.com.br/biografias/biografia-de-tenzi-gyatso-dalai-lama/

CHAGDUD TULKU RINPOCHE

Mestre tibetano que difundiu amplamente o budismo na América. Nascido em 12 de agosto de 1930 no Tibete, fugiu do país após a invasão chinesa em 1959. Viveu na Índia e Nepal até 1979, quando se mudou para os EUA.

Em 1994, mudou-se para o Brasil, onde também fundou diversos centros budistas. Seu corpo faleceu em 17 de novembro de 2002, em Três Coroas (RS), demonstrando surpreendentes sinais de realização meditativa.

http://darma.info/budismo/escolas-budistas


LAMA PADMA SAMTEN

O mestre budista Lama Padma Samten tem auxiliado inúmeras pessoas em suas vidas e relações cotidianas, com ensinamentos que dialogam com as mais diversas áreas do conhecimento.

Físico, com bacharelado e mestrado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Alfredo Aveline foi professor de física de 1969 a 1994. Neste período, dedicou-se especialmente ao exame da física quântica, teoria na qual encontrou afinidade com o pensamento budista. No início dos anos 80, intensificou seu interesse pelo budismo e em 1986 fundou o Centro de Estudos Budistas Bodisatva (CEBB). Em 1993, foi aceito como discípulo por Chagdud Tulku Rinpoche e em 1996 foi ordenado lama, título que significa líder, sacerdote e professor.


Em Viamão (RS), onde reside, está situada a sede do Instituto Caminho do Meio – Centro de Estudos Budistas Bodisatva (CEBB), entidade que dirige. Seu trabalho está voltado à orientação das atividades de seus alunos, através do estudo, da prática de meditação, de retiros e, sobretudo, através do auxílio na compreensão da espiritualidade e da cultura de paz como caminho para que desenvolvam boas relações no ambiente onde vivem.

Além do contato muito próximo com a comunidade budista, nos diversos estados onde o CEBB está estabelecido, como Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, o Lama Padma Samten tem orientado profissionais e acadêmicos de diferentes áreas, que buscam aprofundar e qualificar suas teses, estudos e atuações profissionais, a partir de uma interface com a espiritualidade, de modo geral, e com o budismo, de modo específico. Ciência, psicologia, saúde, sociologia e educação são algumas das principais áreas em que este diálogo acontece.

Sua ação é também direcionada para vários setores organizacionais, sendo freqüentemente convidado a participar como palestrante, conferencista e consultor em ambientes empresariais, órgãos públicos, universidades e outros segmentos.

Os livros publicados pelo Lama Samten – A Jóia dos DesejosMeditando a VidaO Lama e o EconomistaRelações & ConflitosMandala do Lótus e A Roda da Vida – são referências de estudo para alunos e representam uma oportunidade aos leitores, conectados ou não ao budismo, de acesso a este conhecimento de vinte e seis séculos. Nestes textos encontram-se apresentações dos ensinamentos do Buda e orientações práticas para gerarmos maior estabilidade frente às circunstâncias e dificuldades de nossas vidas.

Sua experiência permite uma abordagem em que o budismo manifesta-se como auxílio precioso nas circunstâncias desafiadoras do presente, apresentado de uma forma bem prática. Quando profere palestras a empresários e executivos desejosos de uma mensagem de paz, o Lama mostra como os ensinamentos de Buda podem ser aplicados em atividades econômicas e no mercado de trabalho. No entanto, suas explanações parecem fundamentadas mais no bom senso do que propriamente na religião.

http://www.cebb.org.br/lama-padma-samten/

MULHERES BUDISTAS

Um fato luminoso ao budismo, sobretudo o ocidental, é o protagonismo das mulheres seja como monjas, mestras ou alunas. A atuação de algumas delas, como a brasileira Monja Coen Sensei, a norte-americana Pema Chödrön e a inglesa Jetsunma Tenzin Palmo, que têm alcançado um notável público de leitores budistas e de outras religiões, seja pelas mensagens de amor e compaixão divulgadas por meio de vídeos no YouTube ou também pelos inúmeros livros publicados, reforça a importância do olhar feminino dentro do budismo como forma de estimular o empoderamento da mulher.

Muitas hoje são professoras reconhecidas não apenas para budistas, mas também para pessoas de várias religiões.

Monja Coen Sensei aparece frequentemente na TV falando de budismo, de amor, de pessoas, de compaixão. Suas mensagens de amor e compaixão à filosofia budista de forma natural e saborosa. Monja Coen sempre participa de reuniões e diálogos inter-religiosos para promover a cultura de paz. Ela é autora de livros como Viva zen – Reflexões sobre o instante e o caminho” “Sempre Zen – Aprender, ensinar, ser. Ela publica uma coluna no Jornal “O Globo”.


Há outras monjas e professoras igualmente importantes que têm ampliado o protagonismo feminino dentro do budismo. Mestras do passado e do presente, como a tia de Sidarta, Mahaprajapati, que se tornou a primeira monja, e mestras na ativa, como Pema, Jetsunma e Coen, ajudam a construir uma cultura de paz que não mais compactua e tolera a discriminação de gênero.

Homens e mulheres têm dentro de si a natureza de Buda. Como ressalta a Monja Coen em uma de suas colunas, “o que se reverencia no budismo não é o gênero, masculino ou feminino, mas a mente iluminada, anterior às discriminações”.

Diz a lenda que o próprio Sidarta Gautama, antes de se tornar o Buda histórico, durante o seu caminho à iluminação, ficou 80 dias sem comer e beber nada. Sidarta, então, pele e osso, foi socorrido por uma menina camponesa que derramou leite em sua boca. Os relatos dizem que isso foi importante para a caminhada de Sidarta no sentido de se tornar o Buda, o iluminado.

O certo é que, se as muitas mulheres budistas do passado que transmitiram a sabedoria e compaixão do Buda não foram devidamente reconhecidas nos cânones e em suas estruturas comandadas por homens (quantas não teriam sido esquecidas nos textos escritos por eles?), a próxima geração de professoras e monjas budistas vai empoderar espiritualmente cada vez mais mulheres dando a elas autonomia, independência e oportunidades de liderança dentro do budismo.

Buda deu ferramentas para compreendermos que boa parte de nossas impurezas mentais, como a ideia de um “Eu engessado”, é a base para toda fonte de egoísmos e discriminações como o sexismo e machismo.


Marinei Gabardo

Centro de Estudos Budistas Bodisatva




TRADIÇÃO JUDAICA


No decorrer de séculos, a religião judaica tem fundamentado seus preceitos, regras e leis nos escritos sagrados da Torah (os cinco livros que constituem o Pentateuco), onde encontramos as origens que determinam a liderança de suas organizações religiosas. Assim, ensina a Torah que logo no início da formação do povo de Israel, ainda quando vagava no deserto, entre a saída da escravidão do Egito à conquista da terra de Canaã, Moshe (Moisés), seguindo o conselho de seu sogro Yitro (Jetro), ordenou a constituição do primeiro sistema jurídico do povo de Israel ao escolher 70 Shofetim (juízes), homens de reconhecida sabedoria, tementes à D´us, respeitadores dos escritos sagrados e portadores de experiência de vida para julgar o povo e suas tribos com justiça. A primeira Grande Corte (Sanhedrin - Sinédrio) foi assim constituída, portanto, pelos 70 anciãos sob a liderança de Moshe (Moiséis), que depois seu sucessor Yehosua (Josué) ocupará seu lugar.


Esta estrutura de liderança sofreu um grande prejuízo com a destruição do 2º Templo de Jerusalém no início da década de 70 da Era Comum, quando o Sanhedrin (Sinédrio) foi obrigado a transferir suas atividades para a Babilônia e por questões de segurança não mais se reuniria na cidade de Jerusalém. Na Babilônia surge o uso do termo na língua aramaica Rab para designar um dos integrantes do Sanhedrin. Entretanto, a Grande Corte do povo judeu não suportou a perseguição do Imperador Romano Teodósio II, e no século IV desta Era é dissolvido este tipo de organização jurídica que liderou por séculos os caminhos do povo e da religião judaica.

No contexto da diáspora, após a destruição do 2º Templo de Jerusalém até os dias de hoje, o povo judeu começou a utilizar o termo Rab para identificar suas lideranças religiosas, que na língua portuguesa deu origem ao termo rabino. Os rabinos são pessoas que possuem grande conhecimento da Torah adquirido nas Yeshivot (seminários para a formação de rabinos) segundo as correntes teológicas do judaísmo. Eles são reconhecidos pelo povo judeu e pelo Estado de Israel como seus representantes para realizar casamentos, divórcios, sepultamentos, conversões; orientar suas comunidades quanto às leis dietéticas judaicas (kashrut); organizar e participar das festas religiosas; estimular a visita aos enfermos e enlutados; conduzir os diversos serviços religiosos prescritos na Torah; incentivar iniciativas educacionais e assistenciais; prezar pela vivência de culto e fé dos integrantes de sua comunidade, dentre outras inúmeras atividades.


Quanto à participação da mulher judia na estrutura hierárquica da organização religiosa, sua presença é observada em vários campos da liturgia, desde responsabilidades pela condução das rezas proferidas em ambiente doméstico, cumprimento de mitzvot (mandamentos), até a divisão de papéis entre homens e mulheres no culto sinagogal. Entretanto, é preciso respeitar a existência de diferentes posicionamentos originários das diversas correntes do pensamento religioso judaico, haja vista que algumas destas entendem que não devam existir posições hierárquicas ao defender a participação igualitária entre homens e mulheres em todos os níveis, inclusive reconhecendo as atividades de mulheres como rabinas. Porém, este tipo de compreensão é minoritário no círculo judaico tradicional e ortodoxo. Sendo assim, não existe unanimidade entre as correntes sobre esta questão, muito por conta das interpretações das fontes bíblicas e dos contextos sócio-históricas onde tais correntes se consolidaram.  Assim, se na antiguidade bíblica a sociedade do oriente médio era fortemente marcada por uma estrutura patriarcal, há registros de mulheres juízas (cf. Débora) ou profetizas (Miriam, Ruth, Hulda) que ocuparam espaços importantes de liderança à frente do povo de Israel, hoje em dia elas lutam contra a tradição que determinou ao longo dos séculos que elas tivessem o lar como espaço privilegiado de culto, resultando até hoje na supremacia da liderança masculina na condução dos rituais religiosos sinagogais.


Rabino Pablo Berman

Centro Israelita do Paraná